Quais as vantagens e cuidados necessários na aquisição de imóvel em leilão judicial?

Índice

Aquisição de imóvel em leilão judicial: vantagens e cuidados

Pode ser um bom negócio adquirir a casa própria em leilão judicial ou imóvel para investimentos, a partir da vigência da Lei 13.105/2015, atual Código de Processo Civil. 

A nova legislação confere mais segurança jurídica para o arrematante de bens em leilões judiciais, bem como agilizou os trâmites processuais, priorizando a sua realização pela internet, trazendo segurança jurídica ao determinar que, uma vez lavrado o auto de arrematação, assinado pelo juiz, esta será considerada perfeita, acabada e irretratável, não cabendo mais os embargos à arrematação para anular o ato, restando dispensada ação autônoma para emissão de posse, a qual será determinada pelo juiz no próprio processo da execução.

Quanto ao prazo para desocupação de um imóvel arrematado em leilão judicial, usualmente é no ato, porém, permanecendo o proprietário ou terceiros na posse do bem, o juiz é quem determina esse prazo, normalmente de 15 (quinze) dias para desocupação voluntária, sob pena de ser compelido mediante ordem de arrombamento e força policial.

Concomitante, o arrematante também poderá expedir uma notificação extrajudicial ao ocupante do imóvel, solicitando a saída, sob pena de cobrança de aluguel pelo tempo que permanecer indevidamente na posse do imóvel arrematado.

Eventual ação autônoma de nulidade ajuizada após concluída a arrematação (§ 4°, art. 903, CPC), se julgada procedente, o executado (proprietário do bem arrematado) terá direito à reparação por perdas e danos contra o exequente (art. 903, CPC), nada sofrendo o arrematante.

As hipóteses de invalidade, ineficácia ou resolução da arrematação estão dispostas no § 1° do art. 903 do CPC e são elas: I – invalidada, quando realizada por preço vil ou com outro vício; II – considerada ineficaz, se não observado o disposto no art. 804; III – resolvida, se não for pago o preço ou se não for prestada a caução.

Segundo o § 5°, do art. 903, do CPC, o arrematante poderá desistir da arrematação, sendo-lhe imediatamente devolvido o depósito que tiver feito: I – se provar, nos 10 (dez) dias seguintes, a existência de ônus real ou gravame não mencionado no edital; II – se, antes de expedida a carta de arrematação ou a ordem de entrega, o executado alegar alguma das situações previstas no § 1°; III – uma vez citado para responder a ação autônoma de que trata o § 4°deste artigo, desde que apresente a desistência no prazo de que dispõe para responder a essa ação.

Quanto ao preço da arrematação, a legislação (art. 891, CPC) permite concessão de desconto entre os leilões da primeira para a segunda praça, sendo que, se o juiz não determinar o referido desconto, este será automaticamente de 50% do valor da avaliação judicial do bem, sendo possível o parcelamento de 75% do valor da arrematação, autorizando o parcelamento em até 30 vezes mensais com entrada de 25% (art. 895, CPC), com exceção das hipóteses em que houver proposta de pagamento à vista ou previsão expressa de forma contraria no edital de praça.

O crédito em execução e os impostos sub-rogam-se no preço da arrematação e o arrematante receberá o bem arrematado livre de penhoras ou dívidas pré-existentes.

Outrossim, para maior segurança do interessado em adquirir bens em leilão, deverá consultar um advogado, o qual irá analisar a situação do processo da execução e investigar eventuais dívidas do proprietário que não constem no edital, que possam dar ensejo a ônus ou nulidades, bem como alertar acerca de dificuldades pontuais na liberação do bem arrematado.

Fonte: Viva o condomínio

Classifique nosso post [type]

Compartilhe nas redes:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Deixe um comentário

Precisa de uma contabilidade que entende do seu negócio ?

Encontrou! clique no botão abaixo e fale conosco!

Cta Post.png - Administração de condomínios em Osasco | Grupo SEA
Veja também

Posts Relacionados

Conflitos entre convenção e regimento interno: Qual vale?

Conflitos entre convenção e regimento interno: Qual vale?   Em um ambiente condominial, manter uma convivência harmoniosa entre os moradores é crucial para preservar um ambiente agradável e seguro para todos. No entanto, é comum surgirem questionamentos e desacordos quanto à interpretação das normas que regem o funcionamento do condomínio, especialmente em relação à convenção

Fundo de reserva e fundo de obras: entenda as diferenças

Fundo de reserva e fundo de obras: entenda as diferenças O que é fundo de reserva?  A gestão financeira é um dos aspectos mais cruciais na administração de um condomínio. Isso porque ela é essencial para manter as contas em ordem e garantir a manutenção da estrutura e das áreas comuns do condomínio. Existem dois

Quando o síndico pode ser processado? Veja lei e casos possíveis

Quando o síndico pode ser processado? Veja lei e casos possíveis   O síndico é a pessoa designada legalmente para representar o condomínio. Entre suas responsabilidades estão a administração do condomínio, a garantia do cumprimento das regras para promover uma convivência harmoniosa entre os moradores, o fornecimento de prestação de contas e outras obrigações estabelecidas

Recomendado só para você
Afinal, síndico é ou não funcionário do condomínio? Esta pergunta…
Cresta Posts Box by CP