Unanimidade nas decisões condominiais: conheça o que muda

142 Grupo Sea (3) - Administração de condomínios em Osasco | Grupo SEA

Índice

Foi sancionada lei que altera o Código Civil dando a liberdade para que os condomínios deem a destinação que quiserem aos edifícios pelo voto de 2/3 dos moradores.

Alguém já disse que o Brasil é o país das brechas jurídicas. Se não disse, esse escriba diz agora. O que não significa que não esteja pisando em óbvios. Acaba de ser sancionada lei que altera o Código Civil dando a liberdade para que os condomínios deem a destinação que quiserem aos edifícios pelo voto de 2/3 dos moradores.

De autoria do senador Carlos Portinho, do PL do Rio de Janeiro, mesmo partido do presidente da República, o projeto que se transmutou na Lei 14.405/2022, permite que quórum qualificado da assembleia de condôminos dê novo perfil ao prédio. De comercial para residencial, por exemplo.

Antes, era necessária a aprovação unânime para esse tipo de modificação. Relator do projeto, o senador Carlos Viana, do MDB mineiro, agitou a bandeira de boas intenções do projeto. Mas de boas intenções, como se sabe, o inferno está cheio.

Segundo ele, o confinamento necessário para combater a pandemia da covid-19 reduziu a demanda por imóveis comerciais, principalmente nos centros urbanos, gerando graves prejuízos para a política urbana. Claro que ele ilustrou seu exemplo com a cena viva de “Walkiing Dead” no centro velho da capital paulista. Porém, lembremos: a cracolândia antecede a crise sanitária em uma década. Ou mais.

Uma consulta rápida ao “Navegador do Código Civil”, de L.F. Queiroz, que serve de facilitador para quem não quer enfrentar o catatau original, e se constata que os artigos 1332 e 1334 do CC dão base sólida para determinar que a convenção do condomínio é soberana, inclusive no que diz respeito ao quórum para deliberações. Mas nunca se sabe. Há ainda a Súmula 260 do STJ dispondo que, mesmo sem registro, a convenção é eficaz para regular as relações entre condôminos. Mas também nunca se sabe.

Em suas justificativas, o senador Portinho argumentou que o condomínio ficaria à mercê de um morador, já que ele seria suficiente para quebrar a unanimidade. “De forma irracional (sic) o Código Civil confere o direito de veto a um condômino, quando o quórum qualificado de 2/3 é o mesmo que o admitido para as questões mais complexas da vida de um condomínio”.

Mas vejamos por outro ângulo: será o mesmo quórum qualificado de 2/3, ou seja, 75 moradores em 100, o suficiente para definir que o condomínio, ora em diante, habilitará o uso de unidades residenciais por serviços de hospedagem como o Airbnb. Já se sabe o quanto isso é polêmico e eis a brecha jurídica perfeita para permitir que o “liberou geral” vá adiante.

Era tudo o que condomínios comerciais instalados no centro queriam. E vão ter. Em que pese a resistência de 25% dos condôminos.

Fonte: Viva o condomínio

PRESSIONE AQUI AGORA MESMO E FALE JÁ CONOSCO PARA MAIS INFORMAÇÕES!

Classifique nosso post [type]

Compartilhe nas redes:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Deixe um comentário

Precisa de uma contabilidade que entende do seu negócio ?

Encontrou! clique no botão abaixo e fale conosco!

Cta Post.png - Administração de condomínios em Osasco | Grupo SEA
Veja também

Posts Relacionados

Conflitos entre convenção e regimento interno: Qual vale?

Conflitos entre convenção e regimento interno: Qual vale?   Em um ambiente condominial, manter uma convivência harmoniosa entre os moradores é crucial para preservar um ambiente agradável e seguro para todos. No entanto, é comum surgirem questionamentos e desacordos quanto à interpretação das normas que regem o funcionamento do condomínio, especialmente em relação à convenção

Fundo de reserva e fundo de obras: entenda as diferenças

Fundo de reserva e fundo de obras: entenda as diferenças O que é fundo de reserva?  A gestão financeira é um dos aspectos mais cruciais na administração de um condomínio. Isso porque ela é essencial para manter as contas em ordem e garantir a manutenção da estrutura e das áreas comuns do condomínio. Existem dois

Quando o síndico pode ser processado? Veja lei e casos possíveis

Quando o síndico pode ser processado? Veja lei e casos possíveis   O síndico é a pessoa designada legalmente para representar o condomínio. Entre suas responsabilidades estão a administração do condomínio, a garantia do cumprimento das regras para promover uma convivência harmoniosa entre os moradores, o fornecimento de prestação de contas e outras obrigações estabelecidas

Recomendado só para você
Victor Barbosa, CEO da GuuG Acesso Inteligente, revela os principais…
Cresta Posts Box by CP